sexta-feira, 6 de abril de 2007

"Olho Nu" - Ideogramas


Amigos,

aqui alguns dos poemas em formato de ideogramas, constantes no livro "Olho Nu", cuja primeira edição foi pulicada em formato de opúsculo, em 1996, pela editora Letras Contemporâneas de Florianópolis/SC. É uma proposta de poesia experimental, que surgiu na época em que eu pesquisava o Concretismo e assuntos afins da poesia experimental no Brasil. Disso resultou uma pesquisa de como começou a fala humana, no caso, onomatopéias com breves sons de grunhidos e sibilos, imitando principalmente os sons da natureza, até por questões de sobrevivência e continuidade da espécie. A proposta basicamente foi extrair possibilidades semânticas, sonoras e visuais das palavras curtas de nosso idioma, no estágio em que se encontra, afinal muitos lingüístas contemporâneos apontam para um desaparecimento da língua portuguesa. O formato de ideograma foi escolhido apenas para dar uma estrutura visual aos textos. Trata-se de um trabalho em processo, que depois de 10 anos, continua apresentando novas criações.




mais
luz
do
que
o
sol
do
meu
céu

o
som
do
seu
sim



.........................



tem
dia
que
tem
sol
tem
dia
que
tem
lua
tem
dia
que
ela
diz
não
tem
dia
que
vem
nua



.........................



mas
por
que
pra
uns
deus

mais
pra
uns
deus

ais
e
pra
uns
deus

aids
???



.........................



tão
sem
pai
nem
mãe
não
sei
se
vai
ter
pão
na
mão
de
uns
sim
nas
de
uns
não
e

se
vai
mais
um
dia
de
cão



.........................



ah
meu
bom
deus
oh
meu
bom
pai
no
dia
em
que
eu
for

é
pro
céu
ou
pro
sul
que
se
vai
?




.........................




o
bom
de
ser
bom
e
não
ser
um
a
mais
em
mil
é
ter
tal
dom
e
não
ser
vil




.........................




ser
um
ser
sem
seu
céu
é
ser
um
véu
que
voa
ao
léu



.........................



cor
não
tem
a
ver
com
dor
mas
com
luz
com
som
com
tom
com
dom



.........................



cor
de
mel
o
tom
de
tua
tez
e

me
faz
bem
te
ver
mais
uma
vez



.........................



mal
bem
sei
que
não
tem
mas
um
hai
kai
me
diz
pra
ser
zen



.........................



meu
deus
do
céu
foi
por
um
triz
foi
por
um
fio
que
não
vi
o
caos
em
meu
país



.........................



é
na

que
se
vai
ao
céu
e
se
põe
o

no
chão
não

pra
quem
crê
em
são

mas
até
pra
quem
crê
no
axé



.........................



sei
bem
que
tem
que
ver
pra
crer
mas
mais
que
me
ver
quem
me
quer
quer
me
ter



.........................



meu
vôo
é
tão

um
ufo
sob
o
sol
uma
ave
ao
sul
do
céu
uma
nau
no
mar
ao
léu



.........................



em
meu
ir
e
vir
que
vai
do

até
a
luz

vi
paz
pés
PIS
pós
pus



.........................



era
uma
vez
ser
ou
não
ser
mas

não
tem
a
ver
na
era
do
ter
ou
não
ter




.........................



se

um
deus

no
céu

nem
sei
se

pra
crer
nem

pra
ver
se
ele
crê
em
mim



.........................



eu
te
amo
ela
diz
a
ele
aos
seus
pés
mas
ele
diz
a
ela
ou

ou
10



.........................



tu
que
me
lês
não
me
vês
a
cor
da
tez
nem
o
som
da
voz
mas
um
não
sei
quê
nos
faz
ser
nós



.........................



na
flor
não

pra
ver
no
que
vai
dar
tal
bem
me
quer
ou
mal
me
quer
mas

que
te
amo


pro
que
der
e
vier



.........................



no
fim
da
rua
tem
o
rio
no
fim
do
rio
tem
o
mar
no
fim
do
mar
tem
o
céu
no
fim
do
céu
tem
a
lua
que

pra
ver
do
fim
da
rua



.........................



não
vem
que
não
tem
mas
quem
mais
tem
mais
quer

não

quem
não
tem




.........................



a
luz
do

de
pir
lim
pim
pim

pra
ver
em
ti
ao
te
ver
em
mim



.........................



no
bem
bom
com
meu
bem
dia
sim
dia
não
tem
vai
e
vem




.........................




mais
um
dia
mais
um
mês
mais
um
ano
e
mais
uma
vez
um
tum
tum
me
diz
que
te
amo



.........................




do
ovo
vem
a
ave
da
ave
vem
a
asa
da
asa
vem
o
vôo


...........................



era
uma
vez
ela
+
eu
e
um
dois
três
deu
no
que
deu


...........................




de
vir
o
dia
que
não
vai
ser
em
vão
nem
pra
quem
cai
no
chão
nem
pra
quem
cai
em
si


...........................



até
que
ela
era
boa
mas
meu
elo
com
ela
era
à
toa
e
não
vai
ter
ode
nem
loa


.............................



uma
era
tem
quem
faz
mas
por
ora
não
tem
mais
oro
por
que
quis
que
um
dia
até
a
paz
vai
ter
bis


...........................



nua
nem
se

o
tom
de
sua
cor
crua
pois
na
ala
vip
do
meu
ego
age
um
raio
de
lua


............................



não
sei
se
vai
ter
flor
no
dia
do
meu
fim
mas
sob
7
pás
de

ali
jaz
mim


..........................



a
foz
do
rio
que
flui
do
meu
ser
vai
até
o
mar
em
tu
és
a
nau


.........................




quem
ama
tem
uma
teia
de
luz
em
seu
ser
e
não
tem
frio
mas
quem
não
ama

tem
breu
e

por
um
fio


..................................




pra
me
ver
ao
léu
tão

no
fim
da
rua
e

pra
ver

no
céu
a
luz
do
sol
na
lua



...............................




tu
em
mim
eu
em
ti
num
afã
que
num

nos
ata
e
num
imã
nos
une


...............................



cor
não
tem
a
flor
de
lis
que
fiz
de

de
giz
mas
a
flor
de
teu
ser
eu
sei
de
cor


............................



quem
ama
mas
é

tem
em
seu
ser
uma
dor
que
mói
que
rói
que
dói
que



.............................




não
sei
bem
quem
sou
nem
que
vai
ser
de
mim
mas
com

em
deus
sei
que
vou
até
o
fim



................................




ela
diz
que
ama
o
rio
e
diz
que
ama
o
mar
ela

não
diz
que
quer
ser
meu
par



.............................



nem
na
rua
nem
no
bar

ou
ali
ler
é
o
meu
lar


........................



sua
voz
soa
sua
tez
nua
seu
cio
sua


.............................



o
que
se

tem
vez
que
tem
mais
cor
e
mais
som
do
que
o
que
se




.............................




a
mil
vou
pra

vou
pra

e
vou
até
por
ali
não
sei
no
que
vai
dar
mas
não

nem




............................



no
eco
do
oco
em
mim
não

o
som
de
tua
voz
eu

a
sós
mas
o
eco
diz
nós
nós
n ó s



.................................




quem
não
crê
e
diz
que
não

não

que
a
mão
de
deus

em
meu
DNA



.................................




nem

de
breu
nem

de
luz
mas
não

quem
não
tem
a
sua
cruz



............................





fiz
o
bem
e
até
que
não
sou
mau
mas
meu
mal
é
ser
do
bem
a
dar
com
o
pau



...........................



sem
stress
meu
bem
pois
pra
quem
é
zen
um
ano
luz
é
vapt
vupt
ou
nem


................................



sai
pra

ô
meu
que
eu
não

na
tua
e
vai
ver
se
eu

no
fim
da
rua


..........................



a
mão
que

à
quem
não
tem
é
a
mão
de
quem

vai
se
dar
bem


.............................



do
caos
do
big
bang
se
fez
a
luz
e
sob
o
tic
tac
do
big
bem
ela
diz
que
quer
um
big
mac


.........................


o
que
é
o
que
é
que
quem
tem
é
vip
mas
quem
não
tem
é
vai
te
...



............................



foi
deus
quem
me
deu
meu
eu
ou
foi
meu
eu
que
me
deu
meu
deus
?



.............................



Tchello d’Barros
www.tchello.art.br


2 comentários:

Rosimar disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Vera Helena disse...

***Foi Deus quem me deu meu eu...Foi meu eu que me deu meu Deus***.
Muito bom poeta. Todos seus poemas que li são muito bons, criativo e inteligente, com vesos curtos e poesia.
Notei que não tem seguidores no seu blog...nem precisa né...já é mto conhecido na mídia e no país.
Sucessos
Abraços
Vera Helena